Precificar é um dos maiores sofrimentos de qualquer freelancer, seja ele da área de humanas ou exatas. Saber quanto o seu trabalho vale e como isso será visto pelos seus clientes é algo que sempre dá um friozinho na barriga. Mas quer parar de sentir esse friozinho e conquistar confiança na hora de cobrar? Então confere o texto que preparamos para você.

  1. Achar a sua hora

Para que você não sofra tanto na hora de estabelecer valores aproximados para determinado projeto, você precisa saber a sua hora. Existem profissionais que, inclusive, cobram por hora, independente do projeto. E não existe certo ou errado, cada um precifica a sua maneira. Mas como achar o valor ideal?

O primeiro passo é entender o seu momento no mercado de trabalho. Algumas pessoas começam já dando a fórmula matemática, mas saber em que momento você está enquanto profissional irá lhe ajudar a ajustar a hora de uma maneira melhor. Afinal, um iniciante não terá um valor por hora igual a  uma pessoa especializada naquilo que faz.

Em segundo lugar, entenda quanto você gasta por mês. Se você ainda mora com seus pais e não paga nenhuma conta, saiba quanto eles pagam e tente dividir o quanto você gostaria de pagar por morar com eles (acho que eles merecem, não é mesmo?). Entenda todos os seus gastos, sem exceção, inclua na conta até se você gastar com aquele jogo que você tanto gosta.

Com o valor em mãos, estipule um valor mensal por hora que gostaria ou pode trabalhar como freela. Mas seja realista. Se você está começando agora, vai precisar de mais tempo, até pela capacidade técnica, assim como se você está em um momento de juntar dinheiro trabalhando mais.

Agora, pegue o valor mensal que você gasta e divida por essas horas, também mensais. Esse valor que você encontrará ainda não é a sua hora mensal de trabalho, é a sua hora para não passar fome. Agora, estipule uma porcentagem e agregue nessa hora.

Por exemplo, se você achou 20 reais a hora, estipule uma porcentagem de 20%. Neste caso, a sua hora seria 24 reais.

Obs. Essa porcentagem vai variar de acordo com o seu tempo no mercado e o perfil geral dos seus clientes. Uma dica é colocar o quanto você gostaria de ganhar mensalmente (sendo esse valor sempre acima daqueles gastos que você já achou), e então dividir pelas horas que gostaria de trabalhar. Através desse valor, você poderá encontrar valores padronizados para determinados projetos. Se sua hora é 24 reais e você gasta em média 2 horas para fazer um design para redes sociais, o valor de cada peça sai a partir de 48 reais. E assim por diante.

2. Considerar o Cliente e a relevância do projeto

Vamos supor que você seja um ilustrador e você é chamado para fazer uma ilustração para a padaria do seu bairro. Agora, você é chamado para fazer uma ilustração para a Coca-Cola. Você acredita que o valor seria o mesmo?

Creio que não. Isso porque as empresas possuem tamanhos diferentes e a sua ilustração iria circular muito mais na segunda opção.

A mesma empresa, neste caso ainda a Coca-Cola,  pode solicitar para você dois projetos, sendo o segundo de nível internacional, e isso deve ser levado em conta no momento que você for criar uma proposta.

A relevância do projeto que você entrega sempre está proporcionalmente ligada ao valor do seu trabalho.

3. Considerar a região onde o seu cliente está

Cada região do país, ou do mundo, possui uma realidade distinta. Projetos para o interior do país tendem a  ser mais baratos que para a capital, pois são empresas locais e geralmente os projetos não possuem tanto valor agregado. Também são empresas que tendem a ter um porte menor e, consequentemente, menos valor de investimento.
Mas, isso não é uma regra, mas é importante ficar de olho nesses fatores.

4. Levar em consideração preços do mercados e concorrentes

Não adianta nada colocar na sua conta que deseja ganhar 10 mil reais no mês e trabalhar apenas 4 horas nos dias de semana, mas o seu trabalho não estar nesse nível. Para cobrar preços altos, você precisa estar ao lado de pessoas que também cobram alto, mas que entregam um trabalho impecável, além de estar posicionado estrategicamente no trabalho.

A dica é sempre estar de olho em outros profissionais da sua área e pesquisar por valores de referência. Assim, você não passa vergonha por entregar uma proposta muito maior ou muito menor para o seu cliente. A dica é sempre fundamentar o seu valor.

Vale lembrar que se você se trata como empresa, esse valor também tende a aumentar. Por mais que você se considere freelancer, se já possui uma equipe interna para ajudar, consequentemente o valor precisará ser revisto, uma vez que você precisará pagar o seu time.

As variáveis são muitas, mas o segredo é sempre estar revendo os seus valores e a qualidade do seu trabalho. Fique atento ao mercado, a documentos que sugerem valores de serviços para profissionais e aos concorrentes. Isso, com o tempo, só fará o seu trabalho e o seu rendimento mensal melhorar.

E aí, quais dessas dicas você já coloca em prática? Conta aqui pra gente.

Até a próxima.